Thursday, May 6, 2010

Para me vestir de você eu me dispo de mim.
Quando me visto de você nos tornamos nós.
Aqueles que não se despem seguem a vida sós.

5 comments:

paula barros said...

Não sei se entendi.
Mas para não andar sós o outro tem que também se vestir de nós...será?

E cadê as fotos? rsrs

abraço

Jamille Lobato said...

Pensamento forte e real, eu, Jamille, usaria o termo "me cubro de você", como uma capa... Nunca me despindo de mim para ser outro. Mas a máxima do amor é a renuncia, não é?

[ rod ] ® said...

É o trocar-se pelo outro que valoriza as ações e deixa em nós o sentido de inteiro. abs!

Marcela Fernanda said...

gostei.

bj.
bem vindo de volta, e casado ein?! :D

Poeta Mauro Rocha said...

Vestido ou não o importante é ser feliz!!

Feliz dia das mães e peço emprestado esse poema do nosso poeta maior e faço essa homenagem:


Para Sempre

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade