Wednesday, July 23, 2008

Um selinho ..........





Meus lábios tocando os seus com carinho.
O convite, o caminho.
A doçura dos teus lábios de levinho.
O toque, olhos fechados, devagarzinho.
Sem perceber meu corpo e o teu eu alinho.
.
.
Roubado, mas com carinho.
Sem esperar, no escurinho.
O mundo girou mais rápido.
Ou parou, ficou estático.
.
.
Foi tão rápido, mas perdi o fôlego.
Meu corpo esquentou, deu uma leve tremedeira.
Perdi o rumo, perdi o chão, esqueci o caminho.
Outros vieram, mas ficou a lembrança.
Do nosso primeiro selinho
.






PS: Mais um presente da sempre amiga Nega, do blog pensamentos desarrumados.
Horrível sensação a de indicar a alguém, é como esquecer dos outros que eu também gosto tanto, mas vai aos que tem me atraído muito a atenção nos últimos tempo......








8 comments:

Dois Rios said...

A sutileza que encanta. Um "quase" que se transforma num eterno lembrar.

Beijo,

Maldito said...

Cara,..isso sim é nostalgia

R Lima said...

Dois selinhos nessa né meu caro.r..ss

Abçs para vc e obrigado pela visita ao AveSSo,



Texto de hoje: aMor...

Visite e Comente... http://oavessodavida.blogspot.com/

O AveSSo dA ViDa - um blog onde os relatos são fictícios e, por vezes, bem reais...

vanessa lopes said...

selinho é sempre bom...
mas janel aberta...
não tem preço.
:*

paula barros said...

Nossa!!! Eu aqui indicada.
Ainda mais com um selinho desses, que tira o fôlego, o chão, que esquenta..
Admirada com a forma que transformou o selinho.
Muito gostoso.
Parabéns pelos selinhos. Lindo o poema.
Obrigada pela indicação.
Vou reler, estou suspirando. rsrs

£oµ¢o Ðe £Î§ßoa said...

Livrei-me de boa... deste escapei!

Até outro instante, antes que se faça passado.

Camila said...

Uai...
Melhor que isso só um beijão apaixonado do meu bem!
Beijo
=)

Poeta Mauro Rocha said...

Ola!! Desculpe a ausência, mas estou num projeto ai o tempo ficou pequeno,rsrssr, mas obrigado pela visita.Esse texto é muito bonito. Tenha um ótimo fim de semana e obrigado mais uma vez pela visita.srsrsrsr ninguém entendeu a primeira estrofe do poema "Estrangeiro" era um aviso de pausa.

Um abraço!!!