Thursday, March 11, 2010

Uma única célula

Era uma vez uma cidade que não para, dorme silencia espontaneamente. Esta cidade corre freneticamtne rumo ao desconhecido, não há tempo a perder porém perde-se muito tempo.
Seus trens e metros quase sempre lotados, seus ônibus cheios e parados no intenso tráfico sempre acompanhados de uma sinfonia que todos os veículos em mesma situação reproduzem, uma sinfonia ensurdecedora, monocórdia e ruidosa.

Certa vez esta cidade perdeu uma célula de seu organismo, era apenas uma célula porem o corpo da grande cidade não poderia parar, pois há um percurso a se percorrer e milhares de células morrem o todo no imenso corpo, mas aquela célula teve uma morte diferente.

Aquela célula não morreu pelo tempo de existência, não morreu por uma doença física do grande corpo chamado cidade, não morreu por uma infecção ou falência degenerativa... aquela célula desistiu de trabalhar, cansou funcionar e decidiu encerrar suas atividades.

Por alguns instantes o órgão pelo qual aquela célula transitava parou , foram alguns minutos que não impactou o movimento do grande corpo, que seguiu seu caminho rumo ao improvável, e os demais órgãos sequer sentiram ou saberão a importância daquela célula que simplesmente cansou de existir, de trabalhar e ser mais uma célula , parte daquele corpo .

Quantas células mais irão desistir de funcionar dentro deste imenso corpo ? que corpo é este que não percebe suas células se tornando doentes e aos poucos desistindo de funcionar, há milhares de células alguém pode dizer ... mas milhares são a soma de muitas “ umas” e uma a uma tornam-se milhares. Aquela célula sem nome se foi, esta foi a sua historia.

3 comments:

paula barros said...

Muitas vezes não damos valor a "uma célula", por achar que é uma, apenas uma, mas com certeza vão notar a falta, vão perceber que falta algo na harmonia celular.

abraço

Maldito said...

A celula foi aposentada por invalidez?

Marcela Fernanda said...

Um, nunca é simplesmente um. Sempre causará algum desequilibrio... Por mais que sejamos indeferentes a isso.

Bjs,