Friday, June 6, 2008

Sentidos que vêem .......

No escuro quase infinito.
Vejo-te com minhas mãos.
Que percorrem as estradas do teu corpo.
Saciam em cada pedaço de ti meu desejo

Não há mistério para min.
Minha pele se junta com a tua pele.
Teu corpo rouba o calor do meu corpo.
E eu roubo teu mar.

A sede é grande.
Eu quero beber o teu amar.
Fonte inesgotável jorra.
Eu vou me saciar.

Do muito que me dou.
Teus recônditos quero.
Domado estou.
Mas o teu reino governo.

7 comments:

OUTONO said...

"Não há mistério para min.
Minha pele se junta com a tua pele.
Teu corpo rouba o calor do meu corpo.
E eu roubo teu mar."

Muito cintilante e poético este escrito.

Parabéns.

Luís Nunes said...

Gostei bastante deste,abraço do outro lado do atlantico.

:: Daniel :: said...

"E eu roubo teu mar"

Navegar é preciso, não?

Abração! E valeu pela visita lá na velha casa! Volte sempre

Cafajeste said...

Muito bom.. Soa como um "embalo", não?

Abraço.

Poeta Mauro Rocha said...

Os sentidos sempre vêem, dificil é saber para onde encaminha-los, um poema sereno singelo e sublime. Parabéns!!!

Um abraço

MAURO ROCHA

Vinicius said...

Muito bom...
vou roubar pro dia dos namorados entregar pra minha namorada rs

paula barros said...

Interessante, vim lendo de cima para baixo o seu blog.
Entrei pelo poeta, pelo social, pelo espiritual, pelo "eu", e chego no homem.
Muito interessante, chegar num blog, conseguir ler vários poemas, ficar se sentindo tão a vontade, não querer ir embora.
Um encanto.